Publicado em Deixe um comentário

Clube dos Autores – Livros com descontos!

Darci Men - Kanata

O Clube dos Autores é um site em que você pode publicar o seu livro de forma gratuita, quer dizer, os livros ficam disponíveis no catálogo do site e são impressos conforme há demanda.

É uma boa forma de você realizar o sonho de ver seu livro impresso e sem grandes custos!

Uma coisa bem legal também é que você, como autor, pode decidir a margem de lucro que terá por venda, barateando ou aumentando o valor da impressão ou do download, já que você tem as opções de ter o livro na versão impressa e/ou o e-book.

Autores da casa 🙂

Nós aqui do Cachorro Solitário temos dois autores com livros publicados por lá: O Darci Men, com o seu recém-lançado O Mistério da Kanata; e o Diogo C. Scooby com o seu O Lado Escuro.

Bom, o Clube dos Autores está com uma promoção de Verão: Os livros impressos estão com um desconto de 25% dos dias 13 a 20 de janeiro!

Aproveite e faça uma visita ao site quem sabe você descobre autores, livros e histórias fantásticas que poucos conhecem, ou mesmo se anima a publicar o seu primeiro livro! 😉

Boa leitura e boas compras!

__________________________________

Publicado em 12 comentários

A Prostituição – Uivos Literários

A Prostituição - Uivos Literários

Passei um bom tempo afastada, envolta em logaritmos e cadeias de carbono, de modo que estive impossibilitada de escrever algo minimamente publicável. Como estou muito em falta, resolvi escrever. E como o vestibular deixou a minha vida difícil, resolvi falar da vida fácil. Ou melhor, da difícil vida fácil na Literatura.

 

A prostituição é conhecida como a profissão mais antiga da Humanidade. Vários são os seus rostos e seus lares: as ruas, casas luxuosas, verdadeiras pocilgas. Tudo depende de quanto se está disposto a pagar.

 

Por trás de todo esse comércio estão pessoas, com sentimentos, sonhos e anseios. Temos referências bíblicas como Maria Madalena, uma prostituta que se converte ao cristianismo, demonstrando que não importa o que a pessoa faça, somos todos iguais e todos em busca de algo que nos conforte e alivie nossas angústias…

 

Falei bonito, não é? Agora, vamos ao que interessa: as dicas.

 

O primeiro livro do qual me lembro é “A leste do Éden”, de Steinbeck. Livro recomendadíssimo para qualquer ser humano com um mínimo de massa cinzenta. Nele, a história de Cathy (ou Catherine, como preferir) choca e impressiona. Ela utiliza dos artifícios da sua “profissão” para conseguir tudo e mais um pouco. É uma mulher fascinante e assustadora.

 

Outra personagem que aproveita da sua condição para obter alguma vantagem maior é Carol Dodson de “À caça de Amanda”, do estadunidense Andrew Klavan. Essa garota se aproveita da praticidade de profissão (afinal, o investimento é mínimo e o material é portátil) para fomentar uma fuga impressionante por todo o país, visando proteger sua filha Amanda, nesse que é um dos melhores thrillers que já li.

 

Buscando uma cultura diferente, as prostitutas Lótus e Cuco, duas chinesas vendidas pelos pais em “A boa Terra” de Pearl S. Buck buscam enganar Wang Lung para garantir uma estabilidade financeira na velhice, que é exaustivamente temida por todas as prostitutas, pelo menos as literárias (que são as que conheço).

 

Indo para um campo mais tradicional, temos Marguerite, de “A Dama das Camélias” (Alexandre Dumas), um clássico da Literatura Mundial, chupado por José de Alencar em “Lucíola” e por várias narrativas das telenovelas, sempre repetindo o mesmo plot, que eu, particularmente, acho muito sem graça.

 

(Não atirem pedras em mim, não sou nenhuma crítica séria, só uma pessoa que dá dicas.)

 

Enfim, termino minha rota por aqui. Tentarei manter uma boa regularidade e espero sinceramente, contribuir em algo para vocês: seja para uma discussão ou uma leitura no tempo ocioso.

——————–

Publicado em 5 comentários

Críticas Literárias Polêmicas – Sugestão de site

Sobre um sujeito estranho e com tendências a insanidade.

Confesso que não li “Mí casa, Sú casa”. Mas além de beleza, bom senso, modéstia e superioridade caucasiana, tenho o poder da mediunidade que me garante o direito da angústia injustificada.

A exemplo de Platão (que também não li, apesar de fingir conhecê-lo como ao fígado do mestre Mussum), “Mí casa, Sú casa” parece que foi escrito por uma necessidade que Diogo C. Scooby tinha de, digamos assim, escrever. Agora, vamos nos envolver um pouco nesse assunto específico, que é a necessidade da escrita. Por que um sujeito estranho e com tendênciasa à insanidade, decide escrever bobagem? Apesar de não ter lido a somatória de bizarras ocorrências da obra, é fato notório que eu detenho exclusividade na arte de escrever bobagem. Não aceito qualquer ameaça de concorrência.

Eu poderia declarar aqui que Paulo Maluf é um cara honesto, mas tenho que arranjar outra forma de enganar o leitor e encher linguiça. Por isso, exercito minha bipolaridade (que, aliás, é meu cartão de visitas) e minha arrogância louvando coisas que desconheço e escrevendo frases de efeito como: a leveza de Jorge Amado é constatada no momento em que a obra resiste a se integrar ao Neoclassicismo de Fantasia e se dispersa em olhos adolescentes.

De qualquer forma, voltando à “Mí casa, Sú casa”: não se trata de um Machado de Assis, nem de um Lair Ribeiro. Aliás, essa comparação que tentei fazer só expõe minha limitrofia, porque não posso comparar uma obra que não li. Mas, para que se preocupar com coerência e raciocínio? Se Diogo C. Scooby for tão cabeça de ovo quanto eu, pelo menos arrumo uma boa briga.

de Diogo C. Scooby, um profissional da ofensa vazia.

Claro que é uma brincadeira! Achei no site Mundo Perfeito uma série de geradores (de novela, música, textos) inclusive o de críiticas literárias. Você configura algumas sentenças e ele te dá 3 opções de texto finalizado. Muito divertido, eu recomendo esse site!

De qualquer maneira pode avaliar o livro por si próprio, ele está à venda, basta clicar na imagem abaixo:

cover_front_medium