Antônio Biá (José Dumont)

Narradores de Javé – Filme Comentado

Bem, como sabem, ou não, eu me considero uma pessoa das Letras – não por ser formada na matéria, o que sou, mas sim por gostar de tudo que envolva palavra, seja ela falada, escrita, desenhada e por aí vai.

E foi justamente por esse gosto que o filme Narradores de Javé despertou minha curiosidade, apenas pelo título, antes mesmo de saber do que é que se tratava a história.

pôster do filme

Narradores

O filme conta a história do Vale do Javé, que logo ficará submerso pelas águas de uma barragem. Os moradores não são avisados com antecedência, pois eles não têm o registro de posse das terras.

Inconformados com a situação, alguns moradores tentam descobrir um jeito de salvar a cidade, assim, um dos moradores descobre, conversando com os engenheiros responsáveis pela construção, que se a cidade tivesse algo que pudesse ser considerado patrimônio histórico, haveria uma chance de salvarem suas casas da inundação.

Porém, esse patrimônio deveria ser também comprovado em um documento científico.

Nesse ponto já me chamou a atenção o fato de eles considerarem/classificarem como documento científico algo que fosse escrito, à tinta, no papel; contrapondo, de certa maneira, logo no início do filme, a importância da escrita versus oralidade na vida das pessoas daquele povoado.

O povo do Vale do Javé.
O povo do Vale do Javé.

Depois de muita discussão, os moradores chegam à conclusão de que a única coisa de valor que existe na cidade é a sua história – a história da fundação da cidade, que inclui as suas próprias.

Aí, a questão é que na cidade ninguém sabe escrever… a não ser Antônio Biá, o antigo carteiro. Mas os moradores de Javé não confiam nele, pois, há algum tempo, ele usou o seu dom/poder da escrita para manter o seu emprego.

Eu explico: como um carteiro sobrevive numa cidade onde ninguém sabe escrever? Bem, ele mesmo escrevia as cartas, inventava histórias sobre os moradores e as ia mandando, para que o governo visse que aquele Correios era ativo e, assim, ele não perdesse o emprego.

Quando descobriram as histórias cabeludas que o carteiro criava sobre os seus vizinhos, bem, eles ficaram muito bravos: o posto do Correios fechou, Biá perdeu o emprego, os amigos e caiu na bebedeira.

Mas, ainda assim, ele era o único que sabia escrever, então, muito a contragosto e com a desculpa de pagar sua dívida com a cidade pelas falcatruas que cometeu, a missão de reunir o maior número de informação possível para escrever a história do Vale do Javé fica a seu cargo.

O ex-carteiro começa então a percorrer a cidade à procura de depoimentos que o ajudem a compor a história da fundação do Vale do Javé, mas cada morador conta uma história diferente, e não só isso, mas também acrescentando sempre um personagem novo, normalmente um antepassado que teve importância fundamental nessa fundação, pois todos querem fazer parte dessa história, pois todos sabem que as suas histórias estão mesmo naquele Vale…

Palavras

Daí em diante o que se vê no filme são algumas confusões envolvendo a escrita do documento científico, Biá se aproveitando do poder a ele investido pelo uso da palavra escrita etc., e no meio de tudo isso, há uma discussão implícita sobre a importância da escrita e, ao mesmo tempo, sobre o valor da cultura oral.

Enfim, não estou aqui para dar conclusões sobre o assunto, mas posso dizer que quem se interessa pelo poder da palavra, escrita ou falada, vai gostar bastante desse filme e, assim como eu, acho que não chegarão a uma conclusão definitiva sobre o assunto.

Ah, também não vou contar o final do filme, mas vou dizer que não é um final lá muito feliz…

Ficha técnica

Título: Narradores de Javé

Lançamento: 2003

Direção: Eliane Caffé

Atores: José Dumont, Nelson Xavier, Matheus Nachtergaele, Nelson Dantas, Gero Camilo, entre outros.

Duração: 100 min

Gênero: Drama

_______________________________

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Autora e editora dos blogs Cachorro Solitário e Cabruuum, integrante do podcast Cadeia de Eventos. Leitora voraz, a curiosidade é o que a move!