Publicado em 1 comentário

Resultado do Concurso Literário – Ficção Erótica no Apagão

Resultado do Concurso Literário – Ficção Erótica no Apagão

Saiu o resultado dos ganhadores do concurso “Ficção Erótica no Apagão” do site  A Casa dos Contos!

Disponibilizo aqui os links e trechos dos contos. EU recomendo que leiam pois são de ótima qualidade.

Segue aqui a lista dos três primeiros colocados:

Em terceiro lugar:

Sem medo do escuro

“Decidiram então aguardar o retorno da energia e ficaram na sala conversando. No escuro eu podia ver a silhueta de Helô e ficava imaginando mil e uma loucuras. Ela se sentou ao meu lado estrategicamente, já que eu havia me mudado para o sofá de dois lugares. Peguei uma das almofadas e botei sobre minhas pernas, ela fez o mesmo e por baixo começou a alisar minha perna…”

Categoria: Heterossexual

Eu segundo lugar:

Apagão profissional

“Kátia, por sua vez, era uma imensidão de mulher. Descontados seu invariáveis 10 cm de salto alto, lhes restava ainda 1,80 m, fartos seios sempre insinuantes pelos decotes estratégicos. Uma bunda de fechar o comércio e lábios carnudos que pareciam sempre prontos a “engolir” tudo que fosse “engolível”… Não tão discreta, seja na atitude, seja na aparência, Kátia não se preocupava em esconder que sua atividade profissional era trepar… e o fazia não só por dinheiro, mas também e especialmente por prazer…”
 
Autor: PF
Categoria: Grupal

E em primeiro lugar:

O que a escuridão nos revela

“‘Você é muito bonita, Alessandra’, arrisquei. A falta de luz pode esconder a timidez e a dúvida. ‘Como você sabe? Não está me vendo…’, disse jocosamente. Descrevi então cada detalhe do vestido dela: onde começava ‘nos seus ombros pequenos e por isso, bem femininos’, onde terminava ‘em suas lindas coxas firmes e sensuais’, o que cobria ‘seu corpo de uma beleza sem excessos e por esta mesma razão, perfeito em cada detalhe’, o que deixava à mostra ‘pernas e braços esguios feitos para envolver outro corpo. Tem certeza de que não estou te vendo?’, perguntei por fim. Dessa vez ela não respondeu. Não sei se impressão minha, mas sua respiração ficou mais ruidosa naquele silêncio quase sepulcral que nos envolvia. Ou seria a minha?”
 
Categoria: Heterossexual

 

Parabéns para o vencedor e todos os participantes, foram 43 contos no total que você pode conferir à vontade! Lembrando que esses são contos para adultos e que essa foi uma promoção do site:
 
www.casadoscontos.com.br
————-
Publicado em 5 comentários

Críticas Literárias Polêmicas – Sugestão de site

Sobre um sujeito estranho e com tendências a insanidade.

Confesso que não li “Mí casa, Sú casa”. Mas além de beleza, bom senso, modéstia e superioridade caucasiana, tenho o poder da mediunidade que me garante o direito da angústia injustificada.

A exemplo de Platão (que também não li, apesar de fingir conhecê-lo como ao fígado do mestre Mussum), “Mí casa, Sú casa” parece que foi escrito por uma necessidade que Diogo C. Scooby tinha de, digamos assim, escrever. Agora, vamos nos envolver um pouco nesse assunto específico, que é a necessidade da escrita. Por que um sujeito estranho e com tendênciasa à insanidade, decide escrever bobagem? Apesar de não ter lido a somatória de bizarras ocorrências da obra, é fato notório que eu detenho exclusividade na arte de escrever bobagem. Não aceito qualquer ameaça de concorrência.

Eu poderia declarar aqui que Paulo Maluf é um cara honesto, mas tenho que arranjar outra forma de enganar o leitor e encher linguiça. Por isso, exercito minha bipolaridade (que, aliás, é meu cartão de visitas) e minha arrogância louvando coisas que desconheço e escrevendo frases de efeito como: a leveza de Jorge Amado é constatada no momento em que a obra resiste a se integrar ao Neoclassicismo de Fantasia e se dispersa em olhos adolescentes.

De qualquer forma, voltando à “Mí casa, Sú casa”: não se trata de um Machado de Assis, nem de um Lair Ribeiro. Aliás, essa comparação que tentei fazer só expõe minha limitrofia, porque não posso comparar uma obra que não li. Mas, para que se preocupar com coerência e raciocínio? Se Diogo C. Scooby for tão cabeça de ovo quanto eu, pelo menos arrumo uma boa briga.

de Diogo C. Scooby, um profissional da ofensa vazia.

Claro que é uma brincadeira! Achei no site Mundo Perfeito uma série de geradores (de novela, música, textos) inclusive o de críiticas literárias. Você configura algumas sentenças e ele te dá 3 opções de texto finalizado. Muito divertido, eu recomendo esse site!

De qualquer maneira pode avaliar o livro por si próprio, ele está à venda, basta clicar na imagem abaixo:

cover_front_medium