Quebrado

Lobo triste

Parece que tem algo quebrado em minha mente

Não consigo respirar.

O suor frio corre pelas minhas costas, dá pra sentir meu coração acelerado, há uma carga elétrica em volta de mim, sei disso pois, quando fui pegar um copo de plástico para beber água, ele foi atraído quando aproximei minha mão trêmula.

Não consigo respirar.

Tento me concentrar em algo, ler costuma me acalmar – tentar desenhar algo ou assistir uma aula seria bom, mas essa tentativa exige muito esforço, a mente quer gritar, quer que eu chore, parte de mim está com muito medo de morrer, parte de mim quer morrer e acabar logo com isso.

Não consigo respirar.

Esse estado de luta constante é cansativo, e tem uma tristeza que cresce, uma espécie de solidão, de não ter com quem falar, olhar ao redor e ver dezenas de pessoas que não me veem, como se eu não existisse, a importância de meu ser é diluída pelas ruas por onde passo.

Não consigo respirar.

Racionalmente eu posso saber que tenho amigos, esposa, familiares que me querem bem, mas eu não me sinto à vontade comigo mesmo, me acho uma farsa, uma caricatura bizarra de quem eu poderia ser.

“Aquele menino foi internado numa clínica
Dizem que por falta de atenção dos amigos, das lembranças
Dos sonhos que se configuram tristes e inertes
Como uma ampulheta imóvel, não se mexe, não se move, não trabalha”

Clarisse – Legião Urbana

Não consigo respirar.

Quando durmo meu corpo não quer respirar, aí eu acordo em seguida e esse loop se repete, mesmo eu não estando fisicamente doente, acordo às 3 da madrugada e não durmo mais, e no dia seguinte me arrasto pela vida como um zumbi sem alma, tentando apenas atravessar as horas.

A terapia ajuda, longas horas de conversa tentando desvendar e talvez arrumar partes da minha mente quebrada. Não tive grandes traumas, não aconteceu nada demais nesse dia comum, mas é claro que tem algo errado, e vou continuar lutando contra essa parte de mim que me faz querer ser menos.

Essas crises de ansiedade podem ser bem fortes algumas vezes, eu recorro a podcasts ou textos sobre meditação, andei consumindo muito conteúdo budista, de auto-hipnose e mindfulness que tem me ajudado a entender essa fera que me devora por dentro fazendo o simples fato de respirar algo muito complicado de se lidar.

Com calma, com a mente limpa e contando, com foco no meu corpo e no que está ao meu redor eu finalmente consegui respirar.

Não consigo mais escrever

Não consigo mais escrever, por Diogo Scooby

Não consigo escrever.

A maior parte do Escrever é técnica e ela se aperfeiçoa com treino e o treino na escrita é o escrever é o ato em si e se não consigo, não treino, não melhoro, definho em meus sentimentos, me perco em minhas torrentes alucinógenas de pensamentos desordenados e atemporais quase como se meus miolos se preparassem para um possível colapso mental.

Não posso permitir isso.

As palavras precisam ser ordenadas e direcionadas para um bem maior, para me libertar do que me faz ser quem eu sou e me fazer livre de mim mesmo, simples e egoísta, sem me importar em um primeiro momento em criar textos com pretensão alguma de livrar ou ensinar alguém além de mim mesmo.

Tomo a caneta, o lápis passeia pela folha, os dedos deslizam quase em união com o pensamento da superfície… é o momento onde a mente está calma e quase nada, a não ser o ato da escrita em si, existe.

Eu daria uma dica pra mim mesmo, sempre digo para escrever, mas as redes sociais e os programas de comunicação tomam minhas inspirações e letras e as jogam em uma torrente plural de ideias e iconografias sem dono e fugaz, dia após dia após hora e um apanhado de minutos fazendo com que tudo faça parte da comunidade do que é ser humano.

É o que vai sobreviver, esse aglomerado semicaótico de informações e delírios hedonistas, ou nem tanto, mas massificados em sua pureza ou repetição. Isso realmente não tem a mínima importância.

Me resta então o alívio que fica ao se livrar de palavras sem sentido, mas com alguma substância.

____



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...