A Espiritualidade e a Sinuca

A espiritualidade e a sinuca

Filmaço que mostra uma ótima e civilizada partida de sinuca.

Aí se vê uma pitada de ironia divertida e peculiar que permeia todo o filme!

Passou na TV Cultura (@tvcultura) e curti demais, é um filme divertido, meio galhofa de propósito e que permite a gente pensar!!! Pra mim tá ótimo.

Não quero falar mais nada, só quero que se surpreenda com o filme “A Espiritualidade e a Sinuca”.

Abraço!

___

A Mulher Maravilha pode salvar o mundo

A Mulher Maravilha pode salvar o mundo

por Lynda Carter (Tradução de Marcelo Viana do DSC)

“Você trouxe seu Laço da Verdade?”. As pessoas me perguntam e eu tenho que rir.

Mas é verdade – é um de seus acessórios, da Mulher Maravilha. Ela é, afinal, uma mulher experiente. Mas como bem sabemos, a forma segue a função. Tudo que ela usa tem um propósito: seus braceletes dourados ricocheteiam balas, seu Cinturão de Vênus lhe dá força sobre-humana, sua tiara é um bumerangue e seu laço obriga os outros a falaram a verdade. E isto é só o que podemos ver. O intelecto da Mulher Maravilha é seu verdadeiro poder. Ela é honesta e não usa armas e chuta traseiros.

Eu era como cada garotinha que adorava ler os quadrinhos da Mulher Maravilha. Na época, não havia muitos modelos femininos fortes. Havia a Betty e Verônica de Archie, e então havia a Mulher Maravilha.  E eles realmente me ofereceram pagar pra interpretá-la na televisão. Imagine só! Eu faria isso de graça. Eu estava em Hollywood estudando atuação e era uma inocente caloura naquela cidade. Eu tinha só 24 anos e colocar aquele uniforme – o maiô com a bandeira americana – era a emoção de uma vida.

Dito isto, seu uniforme e acessórios não definiam a essência da Mulher Maravilha. Ela é o “Lado Secreto” dentro de cada mulher – a linda, destemida, obstinada e poderosa mulher que sabíamos residir dentro de nós. Ela é a antítese da “vítima”. Ela é a mãe solteira trabalhando em múltiplos empregos, a heroína pouco celebrada, a irmã que te apóia, a filha devotada, a amada esposa. Ela é o arquétipo da Liberdade Feminina e esta parte de nós que não é confinada por qualquer função social.

A Mulher Maravilha ficou distante de cada mulher de seu tempo. Ela era sempre vista como – desejada como – uma conexão com outros neste novo mundo. A quem ela poderia se voltar? Não só ela era separada de sua família e suas raízes, mas também tinha sua identidade pra proteger. É esta necessidade de conexão que, na minha opinião, sempre fez dela uma personagem humana, simpática e complexa.

Eu nunca tentei tratá-la como burra ou uma bi-dimensional personagem de quadrinhos; eu tinha muito respeito por ela pra fazer isto. Eu a interpretava como se fosse real. Ela tinha duas faces que mostrava ao mundo, mas ela era uma só pessoa. Princesa Diana é a Mulher Maravilha. Elas eram diferentes aspectos do mesmo indivíduo.

Na verdade, eu nunca interpretei a “Mulher Maravilha” – eu interpretava a Princesa Diana (Diana vulgo Ártemis, deusa da caça e das coisas selvagens). Ela veio de uma ilha de mulheres onde não era necessariamente a mais linda ou a mais forte. Ela não era excessivamente impressionante por si só. Ela estava intrigada com Steve Trevor e lutou pela chance de ser aquela que o levaria para seu lar. Quando ela se descobriu neste outro mundo, a América dos anos 1940, suas heróicas reações fluíram naturalmente de seus valores e seus poderes.

Enquanto eu sempre for identificada com o papel, a Mulher Maravilha pertencerá a todos nós. Ela viverá dentro de nós. Ela é o símbolo das extraordinárias habilidades que residem em nós, escondidas através do que elas podem ser – que, eu acho, é o dom mais importante que a Mulher Maravilha oferece às mulheres. Talvez nosso verdadeiro desafio no século 21 seja lutar pra alcançar nosso potencial enquanto abraçamos seus valores. A Mulher Maravilha é destemida. Ela vê a bondade em todos, convencida de que eles são capazes de mudar, com compaixão e generosidade. Ela tem coração e esperança, e tem um grande senso de humor. Esses são alguns dos importantes dons que os Adaptáveis Poderes Femininos têm a oferecer. Em uma época onde o feminismo tem suas restrições arrancadas ao redor do mundo, a Mulher Maravilha permanece um importante arquétipo.

Eu adorava a Mulher Maravilha quando criança, eu adorava a Mulher Maravilha quando a interpretava e adoro a Mulher Maravilha atualmente. Ela é a deusa dentro de todos nós.

Se Einstein está certo, e a imaginação é mais importante do que o conhecimento, então, talvez, o que precisamos é nos “maravilhar”… Abrir nossas mentes e nossos corações para acreditar no que não podemos ver.

Quem sabe? Talvez a Mulher Maravilha possa salvar o mundo.

LYNDA CARTER

Fonte: http://dcu.blog.dccomics.com/2010/06/28/wonder-woman-can-save-the-world-by-lynda-carter/

—————

Propagandas #1977

Propagandas #1977

Ford Maverick 4 cilindros 1977.

Que carro!

Itaú 1977

Esse narrador tem muita classe. Mas ô casalzinho chato esse! Legal a máquina de saque. Acho que nessa época ficava alguém atrás que mandava o envelope com o dinheiro.

Shampoo SEDA

Esse tem uma conotação quase sexual. Quase… Na época as pessoas eram quase tão caretas quanto somos hoje.

Pink Floyd Animals

Esse é gringo! Ainda tem comercial de discos? Acho que tem. Desde que tenho controle remoto não vejo propaganda.

Comercial Promoção Pullman Cortou, Achou, Ganhou

Pra terminar, esse tem prêmios espetaculares! Eu quero o Playmobil!!

Estou achando muito interessante essa volta a 1977.  Tem alguma propaganda antiga que acha legal ou interessante? Comenta aí. 🙂

Abraço!

——————

BBB a PQP

BBB a PQP - imagem: new_mediums

O BBB é o túmulo dos nossos neurônios.

A algumas semanas atrás nossa amiga Elaine publicou aqui mesmo nesse blog um post sobre A imagem da mulher no BBB, agora é minha vez de falar sobre essa porcaria televisiva.

Quando vejo uma pessoa que eu julgo inteligente, sagaz, uma mulher inteligente, divertida colocando no Twitter comentários sobre BBB, tipo fofoquinhas de sofá dos integrantes isso me deixa triste.

Sou chato? Sou pracarai, então, porque me irrita uma pessoa que fala muito bem sobre cultura em geral de repente se rebaixar a comentar tititi dos debiloides daquela casa.

Cara que raiva que tenho… O povo vira um bando de imbecis, chego em casa 3, 4 TVs ligadas na mesma merda de programa inútil. Eu acho novela, por exemplo, uma merda, mas pelo menos tem alguma narrativa interessante…

Quanto ao BBB, sabe aquelas velhas fofoqueiras filhasdaputa que não tem mais o que fazer a não ser ficar olhando a vida dos outros? Como pode milhões de pessoas ficarem assim, e acharem lega?!! Comentando serelepes “ai, fulano bjo nun cei quem, o zequinha falo ki o joãozinho disse que a aninha tem verruga no cox”. Meu, vão caçar o que fazer, porra!!

Aí eu entro no Yahoo pra ver e-mail e tem uma porcaria de manchete falando quem é o Líder, chego em casa 23:30 da noite, cansado, com fome e as pessoas lá acordadas vendo essa merda, e ninguém fica acordado pra fazer um copo de chá quando outra pessoa da casa está com a garganta ruim.

Parei de entrar no Twitter, as pessoas que eu gosto estavam me irritando, e eu quase que dei unfollow em pessoas boas, mas que estão com a cabeça zoada no momento.

Na Globo, não dá pra ver um filme ou telejornal que nos intervalos falam desse lixo.

Não quero saber de BBB, QUERO QUE TODOS OS IMBECIS MORRAM, inclusive quem assiste… E isso não é algo que eu gosto de sentir.

Agora só me resta esperar essa porcaria de programa chegar ao fim!

Esse programa me irrita! Pessoas fazendo fofoquinha sobre ele me deixam puto!!!

Pronto, falei!

——————–