Podcast Apokalipson 03 – Animais

No podcast Apokalipson de hoje, Bárbara, recebe Scooby e Thunder apresentando as notícias do reino animal mais apokalípticas do momento!

Lobisomens mexicanos e outros transmorfos existem? 

Animais retomando o que é seu?

Super-ratos em Diadema?

Tudo isso e muito mais nessa edição do podcast Apokalipson, do blog Cachorro Solitário.

Notícias:

Lobisomem aterroriza México – https://mysteriousuniverse.org/2020/04/wolfman-accused-of-terrorizing-a-mexican-town-during-lockdown/

Animais dominam o mundo – https://noticias.r7.com/internacional/bichos-ganham-as-ruas-durante-quarentena-humana-03042020

Resgate de animais – https://meusanimais.com.br/resgate-de-animais-durante-a-quarentena/

Dicas:

Quadrinhos online grátis – http://www.wendygamestudio.com.br/coronaconbr/ 

Ajude o Zoo – https://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/zoologico-de-sao-paulo-lanca-campanha-amigos-do-zoo/

Proteção aos animais

arcabrasil.org.br

“Chegará o dia em que os homens conhecerão o íntimo dos animais e, neste dia, um crime contra um animal será considerado um crime contra a humanidade.” Leonardo da Vinci

Dia Mundial dos Animais é celebrado no dia 4 de outubro, em homenagem ao nascimento de São Francisco de Assis. Porém, aqui no Brasil, no dia 14 de março, nós também temos o Dia Nacional dos Animais.

Como sugere a homenagem ao Santo, este dia não é apenas para animais domésticos, como cachorros e gatos, mas para toda a vida animal do planeta.

Um dos problemas que nossos irmãos animais, sejam eles domésticos ou silvestres, sofrem neste mundo são os maus-tratos. No Brasil há uma legislação específica para este crime que muitas vezes causa a morte do animal, porém, segundo dados da ARCA Brasil, apenas 10% dos casos são solucionados e/ou punidos.

No site desta instituição, você encontra ainda informações sobre esse tema e também orientações sobre como agir caso seja testemunha desse tipo de crime: Crimes contra animais: denunciar vale a pena!

Denuncie

O número do Disque Denúncia é o 181. E, caso seja necessário, em São Paulo, a Delegacia de Crimes Contra o Meio Ambiente fica na Avenida São João, nº 1.247 – 7º andar. Os telefones são os (11) 3331-8969, (11) 3337-5746 e (11) 2996-2112.

 

_________________________________________

Drama do aquário

Drama do aquário, por Darci Men

Era bem relaxante observar naquela casa o aquário de cor violeta onde um peixinho dourado, vindo do Oriente distante, fazia belas evoluções, cortando a água com o seu corpo ágil e elegante que lembrava os grandes artistas circenses.

Durante o dia a luz do sol refletia na água; durante a noite era a grande luminária no teto que se espelhava na água meio turva, dando a impressão de que a lua vinha visitar aquele minúsculo mundo, transformando-o em um lago dourado.

Um dia botaram no aquário um peixe azul, vindo não sei de onde. Era uma criatura esquisita, cara feia, olhar distante e do tipo truculento.

Também sabia fazer suas evoluções, belas piruetas e até saltos espetaculares.

Certa vez, num desses mergulhos, acabou esbarrando no peixinho dourado. Pararam os dois, olho no olho, ambos com rancor latente e falaram os mais horríveis palavrões na língua inaudível dos peixes.

A partir de então, não houve mais paz no aquário. O que para mim fora antes um “lago dourado” em um pequeno e divertido mundo, passou a ser uma arena de combate, um vaso de vidro bojudo, pequeno demais para conter o ódio de dois peixinhos decorativos.

O dourado, como morador mais antigo do aquário, achava que tinha todos os direitos. O azul dizia só reconhecer o direito da força e fazia vagas ameaças.

Certo dia houve uma disputa por uma migalha. O peixe azul, após breve luta, ficou com o troféu. O rival achou deselegante brigar por comida e fez uma retirada estratégica e honrosa, saindo a nadar em serenas rabanadas e olhando com desdém para o seu rival.

Enquanto o peixe azul comia a migalha da vitória, o outro recitava discretamente a história da família.

A sua gente morava nos melhores rios do Japão. O seu avô era o peixe predileto de um mandarim muito importante que o alimentava com as iguarias mais estranhas e delicadas do Oriente.

Seus antepassados todos eram ilustres; a sua ascendência se perdia nas cinzas dos séculos; e era certo que o mais remoto de seus ancestrais tinha nadado feliz nos rios do paraíso terrestre.

O peixe azul resmungou que não era nobre e que não acreditava nessas tolices de antepassados. Não se lembrava de seus pais. Achava até que nunca tivera avós.

Uma noite a luta foi violenta. Eu quis intervir. Cheguei tarde. O peixe dourado estava morto.

Comecei a fazer reflexões amargas. Aquelas duas criaturinhas minúsculas, delicadas, coloridas e ornamentais também conheciam o ódio e a ambição, tinham o seu egoísmo e sua maldade. Que se podia esperar então dos animais maiores?

Inclinei-me sobre o aquário e preguei um eloquente sermão ao peixe assassino sobre a fraternidade e sobre o amor ao próximo. O peixe azul não me deu ouvidos. Nadava imperturbável. Tentando talvez derrubar com uma cabeçada a vidraça que se refletia no vidro do aquário numa mancha luminosa e tortuosa.

Fiz os funerais do peixinho dourado. E nos dias que se seguiram, observando as pessoas daquela casa, compreendi que não tinha razão para censurar o monstrinho azul.

Eu via um marido que odiava a sogra e não vivia em paz com a mulher que, por sua vez, vivia falando alto e aborrecendo todos ao seu redor. Uma sogra que odiava o genro e não compreendia a filha. Uma filha que aborrecia a mãe e não conseguia sequer se relacionar com a própria irmã.

As criaturas não se entendiam. Havia disputas tremendas e um dia a filha arranhou a cara da própria irmã com as unhas aguçadas e vermelhas, na frente das crianças menores.

De manhã discutiam para ver quem sentava no melhor lugar à mesa. À hora do almoço disputavam com palavras ásperas e gestos brutos os melhores bocados. Os dois rapazes se atracavam porque, embora irmãos, pertenciam a partidos políticos inimigos, a clubes de futebol rivais, a sociedades recreativas adversas.

Não havia paz naquele aquário de peixes grandes que não tinham nem ao menos o colorido alegre e a elegância de movimentos dos peixinhos do aquário menor.

Quiseram botar um peixe verde no aquário da sala. Pedi à senhora da casa que não fizesse isso. Era preciso que naquele lugar houvesse ao menos um cantinho onde morassem a paz e a serenidade. Assim o peixe azul ficou senhor do aquário.

E, depois de alguns dias, quando eu o imaginava no melhor dos mundos, descobri-o morto.

Compreendi, ao cabo de fundas reflexões, que os peixes, como os homens, precisam de luta para viver, se não lutam, se não alimentam ódios, se não se agitam, como é que vão ter a certeza de que estão mesmo vivos?

A dona da casa me censurou:

— Está vendo?! O senhor é o culpado. O coitadinho morreu de tristeza por falta de companheiro. Se me tivesse deixado botar o peixe verde…

Então, façamos mais reflexões: será que nós, seres racionais, não somos capazes de viver em “aquários”, onde as disputas sejam resolvidas dentro do bom senso?

Qualquer semelhança com nossa vida real não é mera coincidência.

por Darci Men

—————-