Teresas

Teresa
Manuel Bandeira

A primeira vez que vi Teresa 
Achei que ela tinha pernas estúpidas
Achei também que a cara parecia uma perna

Quando vi Teresa de novo 
Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo
(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse)

Da terceira vez não vi mais nada
Os céus se misturaram com a terra
E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas.

No poema de Bandeira não há rigor formal: ele é composto por três estrofes, de três versos cada, mas que não seguem um padrão métrico ou rítmico.

O tom com o qual o eu lírico nos fala é coloquial, quase de banalidade, sem os exageros dos românticos, por exemplo.

Nas primeira e segunda estrofes, o eu lírico diz de suas impressões ao ver Teresa (fisicamente): as pernas eram estúpidas, a cara (não face ou rosto) parecia uma perna, e os olhos, velhos. Ele não só descreve o que está vendo, mas faz comparações inusitadas (cara = perna).

Já na terceira estrofe, o eu lírico não vê (“Da terceira vez não vi mais nada”), mas parece que é somente neste momento do não ver que ocorre o encontro com o sentimento amoroso e todo o seu inebriamento (“Os céus se misturam com a terra”).

O “Adeus” de Teresa
Castro Alves

A vez primeira que eu fitei Teresa,
Como as plantas que arrasta a correnteza,
A valsa nos levou nos giros seus
E amamos juntos E depois na sala
"Adeus" eu disse-lhe a tremer co'a fala

E ela, corando, murmurou-me: "adeus.

"Uma noite entreabriu-se um reposteiro...
E da alcova saía um cavaleiro
Inda beijando uma mulher sem véus
Era eu Era a pálida Teresa!
"Adeus" lhe disse conservando-a presa

E ela entre beijos murmurou-me: "adeus!"

Passaram tempos sec'los de delírio
Prazeres divinais gozos do Empíreo
... Mas um dia volvi aos lares meus.
Partindo eu disse — "Voltarei! descansa!..."
Ela, chorando mais que uma criança,

Ela em soluços murmurou-me: "adeus!"

Quando voltei era o palácio em festa!
E a voz d'Ela e de um homem lá na orquestra
Preenchiam de amor o azul dos céus.
Entrei! Ela me olhou branca surpresa!
Foi a última vez que eu vi Teresa!

E ela arquejando murmurou-me: "adeus!"

No poema de Castro Alves há um rigor maior com relação à forma: são oito estrofes intercaladas por estrofes de cinco versos e estrofes de um verso; os versos são decassílabos e possuem rima final. As estrofes de um verso parecem funcionar no poema como repetição da separação dos amantes, mas também como estribilho do “adeus”.

O eu lírico desse poema se apresenta desde a primeira estrofe como alguém tomado de emoção, sem reflexão sobre suas ações (“Como as plantas que arrasta a correnteza”).

As estrofes de cinco versos contam do encontro amoroso entre o eu lírico e Teresa (com exceção da última em que há o encontro de Teresa, mas com outro), enquanto as estrofes de um verso dizem do adeus.

Teresa, de Bandeira, parece descrever a mulher e, por fim, relatar do seu encontro com o sentimento amoroso; O “Adeus” de Teresa trata do amor romântico – apesar de haver encontro (carnal também) -, mas a separação já está anunciada desde o título.

Os dois poemas possuem três momentos que dialogam: no poema de Bandeira, o olhar primeiro são para as pernas que se relacionam com a valsa, que é a dança do primeiro encontro do poema de Castro Alves; num segundo momento, o eu lírico do primeiro poema volta-se para os olhos de Teresa, enquanto o de Castro Alves concretiza o amor carnal e, finalmente, na terceira estrofe de Bandeira, há o encontro com o sentimento, a emoção, enquanto em Castro Alves, ocorre a separação anunciada desde o início.

*

Leia mais no blog:

O bicho – Manuel Bandeira

Secos & Molhados

Poesia e a descoberta do mundo

Fabricando Poesia

______________________

O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá: uma história de amor

jorge amado

O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá: uma história de amor foi escrito por Jorge Amado, em 1948, como presente de aniversário de um ano de seu filho João Jorge; sua publicação, no entanto, se deu apenas em 1976 quando Carybé fez as ilustrações.

O livro inicia com uma trova do poeta popular Estevão Escuna que diz:

O mundo só vai prestar
Para nele se viver
No dia em que a gente ver
Um gato maltês casar
Com uma alegre andorinha
Saindo os dois a voar
O noivo e sua noivinha
Dom Gato e dona Andorinha

Essa trova parece ser, ao mesmo tempo, introdução e resumo do que vai ser narrado em seguida, prenunciando o seu final não feliz, pois, ao usar os verbos no futuro (“o mundo só vai prestar”), o narrador nos dá uma pista de que “o mundo ainda não presta”, quer dizer, ainda não é possível, no mundo em que vivemos, conviver em paz com as diferenças. Depois da trova, vem o “Era uma vez”, que nos transporta para o mundo dos contos de fada ao dizer que esta história aconteceu num 

passado quando os bichos falavam, os cachorros eram amarrados com linguiça, alfaiates casavam com princesas e as crianças chegavam no bico das cegonhas.

O que vamos percebendo ao longo da narrativa é que O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá é uma história dentro de outra história em que se vai questionando o próprio modo de narrar.

Manhã

A história propriamente dita começa com uma explicação de como a Manhã se atrasa para chegar. Ficamos sabendo que há aí outra história de amor se desenrolando, pois a Manhã se atrasa quando o Vento vem ajudá-la a acender as brasas do Sol e, ao mesmo, tempo narra-lhe uma história – a sua curiosidade em saber o final é o que a faz se atrasar para “amanhecer o dia”.

A Manhã começa a refletir se a história de amor contada pelo Vento não foi contada com segundas intenções em relação a ela, o que vai aumentando a curiosidade do leitor em querer saber que história é esta capaz de fazer a Manhã se atrasar tanto para amanhecer.

Ao ir dizendo como o Vento é um bom contador de casos, o narrador vai dizendo também algumas características do que acredita fazer parte do bom narrar, por exemplo, diz que alguns casos eram longos como “capítulos de folhetim” e que “quando mais comovente, melhor a novela”.

Nessa linha de escritura, o autor faz referência a si mesmo quando, ao tentar descrever como a Manhã estava se sentindo, diz 

Um autor erudito falaria em confusão de sentimentos

nos dando a dica de que, ou o autor deste livro não é erudito, ou este, ao escrever, não tinha tais pretensões de reconhecimento literário.

Seguindo a história, os relógios começam a se atrasar por causa do atraso da Manhã e os galos também se confundem sem saber a que horas devem cantar… eles fazem então uma denúncia ao Tempo, que quer saber o porquê de tais confusões.

A Manhã responde que ficou ouvindo o Vento contar uma história e o Tempo, por sua vez, fica tão curioso para saber que história é esta que promete uma rosa azul em troca da contação da Manhã.

Primavera

Neste ponto, o narrador faz (literalmente) um parêntesis no livro para dizer que, agora sim, vai transcrever a história do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá por tê-la ouvido de um famoso e erudito Sapo Cururu que ouviu a história do próprio Vento.

A história de amor começa na Primavera e o Gato Malhado é apresentado primeiro. Ao descrever seu comportamento e como os bichos do parque o vêem, o narrador parece contrastar a beleza da estação das flores com a fama de egoísta e mau do Gato, mas, ao contrário da “opinião geral” dos outros animais, descobrimos que ele é um ser triste e solitário.

Apesar de ser um gato feio e pardo, com a chegada da Primavera seu corpo todo se espreguiça e ele sorri, não só pela boca, mas também “pelos olhos pardos”, o que parece significar que o seu espírito se abre para apreciar a beleza da paisagem primaveril.

A Andorinha Sinhá não consegue compreender por que, sendo ela tão popular entre os habitantes do parque, só o Gato Malhado não lhe dava atenção. Mais uma vez, a curiosidade faz com que a história vá seguindo novos rumos, pois é esse sentimento que faz com que a Andorinha queira se aproximar do Gato.

Neste ponto, o narrador faz (literalmente) um novo parêntesis no texto para apresentar a Andorinha Sinhá. Ele a descreve como uma passarinha muito disputada entre os outros pássaros como uma ótima pretendente para casamento, pois tinha simpatia, beleza e um coração inocente, mas ela não amava nenhum dos que a cortejavam.

Fecham-se os parênteses e continua-se na estação da Primavera. Ao ver o Gato Malhado sorrindo, os bichos se assustam e fogem, mas a Andorinha Sinhá vai falar com ele e, para provocá-lo, diz que ele é feio. O Gato, ao contrário do que todos pensavam, acha graça, e os dois, a partir de então, começam a se encontrar sempre para conversar e passear pelo parque.

Nesta parte, o narrador começa a conversar com o leitor sobre a forma como está estruturando sua contação:

Foi assim, com esse diálogo um pouco idiota, que começou toda a história do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá. Em verdade a história, pelo menos no que se refere à Andorinha, começara antes. Um capítulo inicial deveria ter feito referência a certos atos anteriores da Andorinha. Como não posso mais escrevê-lo onde devido, dentro das boas regras da narrativa clássica, resta-me apenas suspender mais uma vez a ação e voltar atrás. É, sem dúvida, um método anárquico de contar uma história, eu reconheço. Mas o esquecimento pode ir por conta do transtorno que a chegada da Primavera causa aos gatos e aos contadores de histórias. Ou melhor ainda, posso me afirmar um revolucionário da forma e da estrutura da narrativa, e que me dará de imediato o apoio da crítica universitária e das colunas especializadas de literatura.

Este trecho mostra não só um narrador que conversa com o seu interlocutor, mas também um autor consciente do ato (e da brincadeira) de narrar e que não subestima a capacidade de entendimento do seu leitor, fazendo-o participar das suas escolhas narrativas. E, ao mesmo tempo, brinca com o status que as subversões nas estruturas das narrativas têm com a crítica literária.

No “Capítulo inicial, atrasado e fora de lugar”, o narrador descreve a personalidade da Andorinha como de uma criatura arrojada e sem preconceitos (“metida a independente”). Mostra que a Andorinha desde muito tempo observava o Gato por não acreditar na veracidade da fama de mau que ele tinha. Mas, ao falar das suas dúvidas com a Vaca Mocha e das suas intenções de se aproximar do Gato, esta lhe diz que “os gatos são inimigos irreconciliáveis das andorinhas” e que ter amizade com ele seria como “rasgar uma velha lei estabelecida, em passar por cima de regras consagradas pelo tempo”.

Voltamos à história “onde a deixamos por erros de estrutura ou por moderna sabedoria literária”. No fim da Primavera, os pais da Andorinha Sinhá a proíbem de se encontrar com o Gato Malhado, mas a simples proibição não impede que os dois se tornem cada vez mais íntimos (e apaixonados), pois ela 

gostava que a convencessem das coisas com boas e justas razões.

Verão

O capítulo do Verão é curto porque este “passou muito depressa”. Neste capítulo, temos a confirmação do amor que o Gato sente pela Andorinha e vice-versa, mas temos também um prenúncio de que esta história de amor não irá conseguir romper as estruturas dos preconceitos para se afirmar (ao contrário da narrativa em si que abre vários parêntesis e põe capítulos fora de lugar para melhor se contar), pois a Andorinha já tem encontros com o Rouxinol como seu pretendente.

Temos aí o “Parêntesis das murmurações”, ou melhor dizendo, o capítulo em que temos a confirmação das fofocas e dos preconceitos que os outros bichos do parque têm em relação aos encontros do Gato Malhado com a Andorinha Sinhá.

“Não era só a paisagem que se modificava com o correr das estações, como certamente percebeu o culto e talentoso leitor”, mais uma vez, o leitor é chamado a perceber como a narrativa está se organizando, pois as atitudes dos personagens vão se modificando conforme as estações vão passando.

Outono

No Outono, o Gato Malhado escreve um soneto que é transcrito num “parêntesis poético”, “pois afinal isso aqui não é um caderno de poemas”. Assim, o narrador justifica o fato de o soneto não estar no corpo da narrativa, mas dentro de um novo parêntese.

Após o “parêntesis poético”, temos um “Post scriptum” em que o narrador explica ao leitor o uso de tantos parêntesis dentro da história dizendo que não é por preguiça do autor, mas para melhor entendimento da própria narrativa. E, após este, é apresentado o “Parêntesis crítico”, em que o Sapo Cururu faz uma análise literária dos defeitos do soneto do Gato Malhado.

E voltamos ao Outono. Como era um “tempo cinzento”, as coisas certamente não andariam bem ou, nos dizeres da Coruja para o Gato, “para romper uma lei, é preciso uma revolução…”. Não sendo capazes de tal revolução, temos a confirmação de que o Gato Malhado não poderá casar com a Andorinha Sinhá, pois ela já aceitou o pedido de casamento do Rouxinol.

Inverno

No Inverno, encontramos todo o sofrimento que o Gato demonstra ao assistir de longe a festa de casamento de sua amada com o Rouxinol:

Já não havia futuro com que alimentar seu sonho de amor impossível. Noite sem estrelas, a da festa do casamento da Andorinha Sinhá.

No último capítulo, intitulado “A noite sem estrelas”, a “canção nupcial” da festa parece ao ouvidos do Gato um “canto fúnebre” e, enquanto ouve a música, ele caminha em direção ao lugar onde a Cobra Cascavel mora…

E, assim, a Manhã ganha do Tempo a prometida rosa azul por contar a história de amor que ouvira do Vento.

*

Leia mais no blog:

Uma história de amor na Proclamação da República

Uivos Filosóficos 7 – A Visão do Amor

Literatura – Uma visão sobre os Contos de Fadas

Elsa & Fred

O Gamo-Rei – As Brumas de Avalon

Livro 3 - As Brumas de Avalon - O Gamo-Rei

“… pois todos os animais nasceram e se juntaram aos outros de sua espécie e viveram e trabalharam de acordo com as forças da vida e, por fim, entregaram novamente seus espíritos à guarda da Senhora…” (Gwydion)

O título pode passar a impressão que o enredo se centrará num personagem masculino e isto é verdade até certo ponto, porém ainda conhecemos os fatos pelas narrativas e visões das mulheres.

Contrapondo-se ao A Grande Rainha (Livro 2) – que começa no inverno, nos domínios de Lot –, este O Gamo-Rei inicia-se no mesmo reino, mas no verão. Após a morte do marido, Morgause governa de modo incontestável já que a população local está acostumada com figuras femininas de poder – simbolizadas pela deusa e suas sacerdotisas. Neste contexto e pelo olhar da mãe adotiva, somos apresentados a Gwydion: rebelde e indomável, inteligente e sagaz, possuidor da Visão e nem mesmo Morgause consegue manipulá-lo. Ainda por este olhar sabemos que ele é vaidoso – como sua mãe biológica, Morgana.

“Avalon. E então Morgause viu o sorriso secreto de Gwydion, e soube que ele estava esperando por isso. Mas ele nunca falou da Visão. Qualquer criança teria se vangloriado dela, se a tivesse! Compreendeu de súbito que Gwydion podia disfarçá-la, sentir maior prazer nela por ser secreta, e isto lhe pareceu estranho, a tal ponto que teve um movimento de repulsa, quase de medo, do seu filho adotivo. […]

Viviane, Kevin e Niniane (última descendente da velha linhagem real de Avalon) decidem levá-lo para a ilha – planejam que se torne o próximo rei e que honre os compromissos de Camelot com a velha religião, já que Artur se tornou um rei cristão e está negligenciando este tratado.


O que acontecerá ao Gamo-Rei quando o pequeno gamo tiver crescido?

As Brumas de Avalon - O Gamo-Rei

Pentecostes

Na corte, muitos se reúnem para as festividades anuais de Pentecostes. Taliesin, Lancelot e Morgana são alguns dos personagens que estão lá, assim como os reis vassalos, a fim de renovarem seus votos de fidelidade a Camelot, e muitos elementos do povo que levam petições e pedidos de justiça ao rei.

A festa, no entanto, não é motivo de alegria para todos os presentes. Taliesin está cheio de premonições sobre o futuro, não necessariamente boas. Lancelot ainda se sente perturbado por seu amor a Gwenhwyfar e Artur. E Morgana carrega a culpa por esconder o filho que teve com o rei, fazendo-o acreditar ser infértil, ao mesmo tempo em que sente vergonha por ter engravidado do próprio irmão. Mais uma vez, ela é a síntese das mudanças pelas quais aquela sociedade está passando, é um amálgama entre as duas religiões: a celebração da vida na deusa e a culpa cristã.

Outra pessoa presente na corte é Viviane, que vai exigir que Artur cumpra suas promessas de proteger Avalon, pois os reis subalternos estão proibindo os velhos cultos em seus domínios, profanando os bosques sagrados da velha religião. No momento em que a Senhora do Lago apresentava sua petição ao rei, Balim a mata…

— Senhor meu rei – gritou ainda Balim –, deixe-me acabar com todas essas feiticeiras e magos, em nome do Cristo que os odeia a todos…

Este acontecimento torna-se um marco da corte que passa a ser estritamente cristã. Ainda assim, Artur pede que ela seja enterrada na praça de Glastonbury, como homenagem, já que lá é também um lugar de peregrinação. Dessa forma, vamos assistindo aos velhos ritos sendo incorporados aos novos, as religiões se fundindo ao incorporarem a tradição com uma nova roupagem.

Livro 3

Nesta terceira parte, continuamos com os excertos dos pensamentos de Morgana que, tecendo comentários sobre os acontecimentos, torna essas reflexões numa espécie de salto temporal para a narrativa, pois é nestes trechos, por exemplo, que sabemos de alguns fatos, como a morte do velho Merlim.

O Gamo-Rei

Um novo personagem, Meleagrant, aparece durante as festividades alegando ser herdeiro de Leodengraz, pai de Gwenhwyfar e, portanto, sucessor de direito daquele reino. A rainha o despreza, dizendo não passar de um bastardo. Por isso, ele toma o país do verão à força, mas depois, sob trégua, pede que ele e a irmã resolvam a situação amigavelmente.

Gwen vai sozinha, pois quer provar a todos que pode ser útil em seu reinado, e não apenas uma tola – aos olhos de Morgana e de todos na corte. Mas as coisas dão errado. A trégua era uma armadilha de Meleagrant, que a violenta, pensando que isso fará Artur a desprezar e legitimá-lo como senhor daqueles domínios. O que mais surpreende nesta passagem é que mesmo diante de tamanha violência injustificada, tudo o que ela consegue pensar é que está sendo punida por ter pecado, ao mesmo tempo em que se sente responsável, assumindo a culpa pelo estupro, afinal “nenhuma mulher era violentada se não tivesse tentado algum homem a isso…”.

Estre trecho da trama é bem forte e um símbolo da culpa cristã jogada sobre as mulheres. Mas também se torna um ponto de virada para a personagem – que se liberta, momentaneamente, de seus pudores e tem um caso com Lancelot.

“Deus não me compensou pela minha virtude. O que me faz pensar que ele poderia me castigar? E teve, em seguida, um pensamento que lhe deu medo: Talvez não exista Deus, nem qualquer dos deuses que as pessoas acreditam. Talvez seja tudo uma grande mentira dos padres, para que possam dizer à humanidade o que fazer, o que não fazer, no que acreditar, dar ordens até mesmo ao rei.”

Para evitar que a “vergonha” da traição caia sobre o irmão, Morgana conspira com Elaine para forçar um casamento entre esta, dama de companhia da rainha, e Lancelot. Então, como Viviane antes dela, Morgana interfere no destino das pessoas próximas a si em nome do bem do reino.

Passamos a entender um pouco melhor as falhas e frustrações de Gwenhwyfar, pois o foco da narração intercala entre ela e Morgana, fazendo mais uma vez os contrapontos entre seus diferentes pontos de vista, numa alegoria das mudanças e contradições sociais e religiosas daquele tempo encarnada nessas personagens. Assim como o povo que continua realizando alguns ritos pagãos apesar da cristianização – como a escolha da Virgem da Primavera: uma jovem é escolhida para percorrer os campos em procissão ao mesmo tempo em que os padres abençoam a terra.

Depois do casamento de Lancelot, a rainha se volta novamente para a religião e, numa tentativa de expurgar o pecado de sua vida, conta para Artur o segredo de Morgana e insiste que ele o confesse para o bispo, penitenciando-se e colocando-se (e ao reino) nas mãos dos padres – o que é um prenúncio do que ocorrerá no futuro com os Estados europeus.

Morgana, por sua vez, casada agora com o rei Uriens, pensa em restaurar os velhos ritos, pois fez as pazes com a antiga religião e volta às suas práticas.

“Se eu tivesse me casado com ele na idade certa, Gales do Norte talvez nunca tivesse se tornado cristã. Mas ainda não é tarde demais. Há os que não se esqueceram de que o rei ainda traz, embora desbotadas, as serpentes de Avalon em seus braços. E casou-se com uma mulher que foi sacerdotisa da Senhora do Lago. Eu poderia ter continuado a sua obra aqui melhor do que durante todos aqueles anos na corte de Artur, à sombra de Gwenhwyfar.”

E vamos nos encaminhando para o quarto e último livro da série, O Prisioneiro da Árvore: as religiões e seus praticantes se misturando e o reino, agora em paz com os saxões, na iminência de uma guerra com Roma.

*

Leia mais no blog:

A Senhora da Magia – As Brumas de Avalon (Livro 1)

A Grande Rainha – As Brumas de Avalon (Livro 2)

Projeto Leia Mulheres

————-

A Grande Rainha – As Brumas de Avalon

A Grande Rainha

Igraine pôs de lado o bordado. Afinal de contas, não estava manchado; as lágrimas vertidas pelas mulheres não deixam marcas no mundo, pensou com amargura.”

Neste segundo grande capítulo de As Brumas de Avalon, Gwenhwyfar e Morgana polarizam a história. Uma representando o cristianismo, a outra, a velha crença. Uma, recatada e reprimida pelos pudores da religião, a outra, senhora de si e de suas paixões. Uma, como símbolo de Camelot, a outra, de Avalon…

Poderíamos seguir com muitos mais exemplos, pois este contraste entre as personagens reforça a imagem de como o cristianismo – guiado por homens – podou o feminino, tornando-nos paranoicas e receosas de nossos próprios corpos. Tema representado por toda a falta de confiança em si mesma que Gwenhwyfar mostra durante boa parte da trama.

Morgana é o contraponto a esta representação, personificando a luta pelo direito ao feminino como forte, como o próprio direito a vida. E, mesmo com inseguranças normais a qualquer pessoa, segura de si e do direito a usufruir de seu corpo conforme sua vontade.

– Sua voz é linda, irmã. Você aprendeu a cantar assim em Avalon?

– Sim, minha senhora, a música é sagrada. Não aprendeu harpa no convento?

– Não, pois parecia impróprio a uma mulher erguer a voz ante o Senhor – respondeu Gwenhwyfar com um recuo.

– Vocês, cristãos, gostam demais da palavra impróprio, especialmente se no que se relaciona às mulheres. Se a música é um mal, é mal também para os homens. E se é uma coisa boa, não devem as mulheres fazer todo o bem que puderem para compensar o suposto pecado cometido na criação do mundo?

A Grande Rainha

Camelot

Seguindo a forma do Livro 1, continuamos a conhecer a lenda do rei Artur pela visão de suas heroínas – Gwenhwyfar, sua esposa; Igraine, sua mãe; Viviane, a Grande Sacerdotisa de Avalon e sua tia; e Morgana, Senhora do Lago e sua irmã – nas terras que mais tarde se tornariam a Grã-Bretanha – sua luta contra as invasões saxônicas e seu esforço para unificar o reino.

É neste Livro 2, por exemplo, que Artur transfere a corte para Camelot por questões estratégicas de guerra, por ser um território mais fácil de defender do que as terras da antiga capital do reino, Caerleon.

Livro 2

Como prelúdio desta jornada, acompanhamos a gravidez de Morgana. Para esconder de todos sua condição, ela foi para o Norte, ficar com a tia Morgause, que não a julgaria. Ainda assim, não confia o suficiente para se abrir, para contar quem é o pai e por que algo que poderia ser uma dádiva é tão doloroso.

Lot e Morgause fazem planos para o filho da sobrinha. A criança é rival de seus próprios filhos na sucessão ao trono de Artur, já que ele não tem herdeiros. Lot quer aproveitar que Morgana teve um parto difícil e, de alguma forma, usar esta circunstância como desculpa para matar a criança, mas, por alguma razão não totalmente explicada, Morgause não o faz.

A Grande Rainha

Filha do rei Leodegranz, seu pai faz um acordo com Artur para que se case com ela. Gwenhwyfar, entretanto, tem medo dos planos do pai, tem medo de espaços abertos, tem medo das mudanças que estão prestes a acontecer… Ela parece estar sempre assustada e com medo de tudo e de todos.

Da forma como são descritas as suas fobias, parece que ela tem agorafobia, por isso vive presa entre os muros do castelo e, talvez, isto seja uma metáfora para as paredes de uma prisão ideológica – religiosa – em que o cristianismo a confinou.

Conforme a narrativa avança, outras pressões fazem com que a rainha não seja tão severa quanto à religião, mesmo tendo sérias discussões com Artur sobre pagãos x cristãos, em certo momento da história pede um talismã ou feitiço à Morgana para ter um filho, posto que uma de suas (poucas) funções como rainha é dar um herdeiro para o reino.

Gwen é uma personagem que está sempre em conflito entre os seus desejos mais íntimos e suas convicções religiosas. Nisto, ela e Morgana são parecidas – pois as duas acreditam que as coisas ruins que lhes aconteceram são resultado de terem falhado cada qual com a sua fé.

À volta dela, a noite parecia respirar tristeza e desalento.

Por quê?, perguntava-se Gwenhyfar. Artur está feliz. De nada pode me censurar. De onde vem essa tristeza que paira no ar?

A velha e a nova religião

Artur jurou proteger Avalon, mas escolhe para esposa uma mulher cristã. O que é mais um indício do conflito de fé naquelas terras e nos corações dos personagens.

Tanto assim, que o rei escolhe como dois de seus conselheiros o Merlin e padre Patrício, que estão sempre discutindo assuntos religiosos. O mago sempre mais tolerante quanto à intolerância do padre. O livro é pautado por estes debates teológicos como se fossem personificações dos sentimentos contraditórios dos outros personagens que estão ao redor.

Representando a nova ou a velha religião, porém, ninguém está (ou estará) como ou com quem realmente queria, estão todos servindo suas vidas ao reino e, consequentemente, aos seus deuses. Este é o peso da crença, seja ela qual for.

Mas também há uma passagem muito bonita na narrativa quando cristãos e pagãos abandonam suas diferenças e se deixam levar pela beleza da arte, da música:

Levou as mãos às cordas e começou a tocar. Gwenhwyfar ouvia, encantada, e suas servas aglomeraram-se na porta para ouvir também, sabendo que partilhavam de uma exibição real. Ele tocou por muito tempo na penumbra que se intensificava, e, enquanto ouvia, Gwenhwyfar sentiu-se transportada para um mundo em que pagão ou cristão era a mesma coisa, guerra ou paz também, mas onde apenas o espírito humano, flamejando contra as trevas como uma tocha sempre acesa, tinha valor. Quando as notas da harpa finalmente silenciaram, ela não podia falar, e viu que Elaine chorava em silêncio.

*

Leia mais no blog:

A Senhora da Magia – As Brumas de Avalon (Livro 1)

O Gamo-Rei – As Brumas de Avalon (Livro 3)

Projeto Leia Mulheres

A mulher desiludida

—————

A mão esquerda da escuridão

Drawn by Ursula K. Le Guin

Quer nos contar como morreu? Quer nos contar sobre os outros mundos, nas estrelas, as outras espécies de homens, as outras vidas?”

Já tinha ouvido falar de Ursula K. Le Guin, mas, por alguma razão, e mesmo gostando de ficção científica, nunca tinha lido nada da autora.

A oportunidade perfeita surgiu quando vi que o livro do mês de setembro/2017 do Leia Mulheres de São Bernardo seria A mão esquerda da escuridão e que, por motivos de (não) trabalho, finalmente conseguiria participar de um dos encontros.

Tratei então de marcar o dia na agenda e arranjar o livro pra ler – peguei emprestada numa das bibliotecas públicas da cidade uma edição de 1982, publicada pelo Círculo do Livro.

A mão esquerda da escuridão

O livro

Somos apresentados ao mundo em que viveremos nesta leitura por uma parada, que nos é narrada por Genly Ai – um humano da Terra que está em missão diplomática em nome do Conselho Ecumênico.

Estamos no planeta Gethen, chamado de Inverno por emissários anteriores. A parada está acontecendo em Erhenrang, capital de Karhide, onde Ai espera convercer o rei Argaven a juntar-se à humanidade organizada sob o Conselho – para trocarem conhecimentos, já que o planeta é muito afastado pra que possam ter uma troca comercial efetiva.

Pelos olhos do emissário, conhecemos Estraven, primeiro-ministro daquele país e que está tentando convercer o rei dos benefícios deste acordo interplanetário, não só para o seu povo, mas para todo o mundo em que vivem.

Infelizmente, como resultado de intrigas causadas por brigas pelo poder, Estraven é acusado de traição e condenado ao exílio. No decreto real, o Rei Louco estende a punição àqueles que o auxiliassem de alguma forma. Assim, Genly Ai perde seu único aliado ao mesmo tempo em que corre perigo por estar associado a ele.

O ponto interessante aqui é que convenceram Argaven de que Estraven seria um traidor por estar colocando o “mundo” acima de sua pátria. E este é um dos questionamentos entremeados no livro, embora pareça não ser um dos destaques: Afinal, o que é ser patriota?

Fala de Estraven

Ai foge com medo de ser também caçado, então usa a desculpa de conhecer outras regiões do território para chegar próximo da fronteira e fugir para Orgoreyn, país vizinho e inimigo político de Karhide.

Lá, tenta dar seguimento à sua missão diplomática, mas se vê envolvido no perigoso jogo político daquele país e acaba sendo mandado para uma prisão de trabalhos forçados, onde sofre inúmeros maus tratos e torturas – como todos os outros presos.

A autora narra os capítulos pelos olhos do personagem principal intercalando-os com mitos, lendas e trechos de textos religiosos daquela planeta. O que nos faz mergulhar ainda mais naquele ambiente alienígena para tentar compreender suas sociedades e culturas. No entando, a partir de seu desterro, Estraven passa a ser uma segunda (ou terceira?) voz narrativa, pois agora também acompanhamos sua jornada através dos registros que faz em seu diário.

Fala de Estraven, Diário - A mão esquerda da escuridão

Em certo ponto da história, Ai e Estraven empreendem uma fuga juntos e é neste trecho do livro, em que os relatos dos dois se intercalam com maior frequência, que a narrativa parece ficar mais dinâmica e interessante ao retratar a interação entre estes dois humanos pertencentes a mundos tão diferentes.

Eles fogem por uma região de gelo eterno. É um trecho belíssimo, não só pela descrição da paisagem, mas também para a relação dos personagens, pois aqui eles parecem finalmente estar conseguindo se comunicar de forma eficiente. E é onde nós leitores, assim como Ai, começamos a entender e nos identificar com aquela “raça” tão “alienígena” quanto nós mesmos.

Ambissexualidade

O ponto que chama mais atenção na caracterização do povo de Inverno é o fato deles serem ambissexuais. Uma mesma pessoa pode tanto gerar como conceber, pois o corpo, os órgãos reprodutores se adaptam ao parceiro.

Eles também têm um perído certo para terem relações sexuais chamado de kemmer. É neste período que o corpo começa a sofrer alterações hormonais e, então, o corpo do parceiro responde de acordo – assim, no casal sempre há macho e fêmea para que possa haver a reprodução.

Este pequeno detalhe da fisiologia dos gethenianos pode alimentar muitos debates sobre a questão de gênero, já que neste planeta não há esta distinção. No próprio livro, por exemplo, lemos o relatório de uma humana enviada antes de Ai que fala deste “problema sexual” tão difícil de compreender por humanos (terráqueos) que estão tão acostumados a dualidade masculino x feminino de tal forma que até estendemos esta divisão sexual para outros âmbitos da vida ao classificar coisas com “características” de um gênero ou de outro.

No final

Como toda boa obra de arte, este livro deixa espaço para muitas perguntas e reflexões, mas, se há uma conclusão a que podemos chegar é que, apesar de sermos todos alienígenas uns aos outros, no final, todos fazemos parte da mesma humanidade.

Leia mais no blog:

Leia Mulheres

Quem foi Martha Washington?

O Guia do Mochileiro das Galáxias

Viagem no espaço-tempo

————

Projeto Leia Mulheres

Leia Mulheres

Não me lembro exatamente como fiquei sabendo do projeto Leia Mulheres, mas me lembro de como a proposta me fez olhar a minha estante e buscar na memória as obras que li durante a vida e quantas delas tinham sido escritas por mulheres…

É claro que havia autoras em meio ao meu percurso literário e que foram importantes na formação do meu senso estético e artístico, mas o passo seguinte desta busca foi me fazer reparar na discrepância em relação à quantidade de artistas homens e mulheres.

Era um número gritante, e foi assustador tomar consciência dele.

Desde então, tenho pensado mais minhas escolhas de leitura. E isso não significa que não leio mais homens – alguns deles ainda são meus favoritos rs –, significa que tenho sido mais crítica com minhas leituras e suas influências.

O projeto existe em várias cidades do Brasil, e confesso que, apesar de acompanhar pela internet há algum tempo e até já ter lido alguns dos livros discutidos no grupo de São Bernardo, a primeira vez em que fui num encontro presencial foi somente em setembro.

Ah, apesar do nome do projeto deixar algumas pessoas confusas, os clubes de leitura não são só para mulheres, homens podem ler e participar. O nome refere-se apenas ao conteúdo, que é – evidentemente – ler (obras escritas por) mulheres.

Você pode acompanhar o projeto pelo site que, além da divulgação das agendas dos grupos de leitura, também tem resenhas e outros conteúdos relacionados, ou pelo Facebook, Instagram, Twitter e Pinterest.

Eu achei a experiência enriquecedora e espero poder participar dos próximos encontros!

E você, já participou (ou participa) de algum clube de leitura? Conte-nos sua experiência nos comentários!

*

Leia mais no blog:

A Senhora da Magia – As Brumas de Avalon

Clarice Lispector

A mulher desiludida 

Dina Salústio e Graciliano Ramos

Narradores de Javé, de Eliane Caffé

———–

A Senhora da Magia – As Brumas de Avalon

A Senhora da Magia

 “… um país governado por sacerdotes é um país cheio de tiranos na Terra e no Céu.” (Morgause)

Morgana é quem nos guiará através das tramas que levaram a que fosse conhecida como Morgana, a Fada (ou Morgana das Fadas) e à ascensão e queda de seu irmão Artur como Grande Rei de toda a Bretanha.

Apesar de estar diretamente envolvida na história, Morgana é uma boa narradora já que parece ter uma percepção excepcional, muito sensível ao que acontece ao seu redor desde tenra idade.

Esta será uma marca desta série de livros: os acontecimentos que regeram a vida das pessoas do reino pela visão das mulheres que ali estiveram presentes como sujeitos e agentes das mudanças.

PrólogoAsBrumasDeAvalon

As Brumas de Avalon

A narração propriamente dita começa no verão em Tintagel. Aqui, somos apresentados à Igraine, esposa do Duque Gorlois, irmã de Viviane – Grande Sacerdotisa do Lago – e mãe de Morgana – futura Senhora do Lago.

Por Igraine nos é apresentado o primeiro contraste entre as estruturas do cristianismo nascente e da Velha Religião, pois, apesar de não ter se aprofundado nos mistérios da Ilha Sagrada – Avalon, ela é muito mais instruída e culta do que o padre responsável pela Cornualha, por exemplo, mas para o qual tem que mostrar respeito e silêncio por ter se casado com um homem cristão.

O contraste não se dá apenas pela diferença de instrução e “importância social”, mas também pelo grau de liberdade que as mulheres da Ilha têm e que as mulheres cristãs não têm. Na verdade, mesmo os homens parecem ser tolhidos em pensamentos e ações pelas restrições do cristianismo.

Nesta mesma casa, conhecemos Morgause, a caçula das três irmãs que descendem da linhagem real de Avalon, e que terá um papel importante nos destinos do reino, atuando sempre nas sombras.

Numa conversa entre as três irmãs, também participa o Merlim – pai de Igraine, mas não de Morgause e Viviane. E aqui percebemos como as mulheres de Avalon são livres para exercer sua sexualidade sem amarras (é claro que isso inclui a liberdade sexual dos homens também). Enfatizando mais uma vez a liberdade frente às censuras cristãs.

Por isso, muitas vezes, as mulheres (sacerdotisas) da Ilha de Avalon são chamadas de bruxas e feiticeiras, não por suas visões e “poções”, mas por suas atitudes. Negando-se a serem as mulheres submissas e recatadas que o cristianismo pregava.

Esta será uma característica constante do enredo. Os personagens, por suas ações e palavras, espelham as diferenças filosóficas entre o cristianismo e a Velha Religião. Normalmente, colocando a Velha como uma crença que celebra a vida e sua plenitude, e o Cristo como um ser triste que pesa a vida com a morte.

Um bom exemplo de como este contraste se faz presente mesmo quando não se está referindo a ele objetivamente é a relação entre Igraine e Gorlois. Em muitas situações, eles parecem representar Ceridwen e Cristo respectivamente. Ceridwen, apesar de ícone de uma velha tradição, parece jovial pela sua celebração à vida e liberdade que confere aos seus crentes. Já o Cristo, mesmo representando uma religião nascente, com todas as suas restrições e noções de pecado parece ter nascido como um velho monge intransigente.

No entanto, esta aparente liberdade também guarda os seus dogmas. Quando Morgana fala de seus anos como “noviça” na Ilha, por exemplo, tudo o que ela diz é

“— O que não é óbvio é secreto.”

Numa outra cena, Galahad (Lancelote) fala como vê a mãe, Viviane, enquanto Sacerdotisa e, por isso, como representante da Deusa na Terra:

“— Ela é grande, terrível e bela, e só se pode amá-la, adorá-la e temê-la.”

Ainda naquela mesma conversa, é revelado como Viviane e o Merlim tramam para que o próximo rei seja um que consiga fazer com que a velha e a nova religião convivam pacificamente. Para isso, planejam sua vida mesmo antes de seu nascimento…

“— Você acha que a nossa feitiçaria pode fazer coisas além da vontade de Deus, minha filha?”

Esta fala de Merlim demonstra como ele realmente acreditava que a convivência pacífica entre as duas religiões seria possível. Mas nada é tão simples quanto parece, pois, além da missão de unir estas diferentes crenças, Artur – o rei predestinado – também teria a missão de unir todos os pequenos reinos da Bretanha para que conseguissem impedir de uma vez por todas as invasões saxãs, contras as quais lutavam há muitas décadas e lutariam por muitas ainda mais.

Intrigas permearão toda a saga, sejam elas tramadas nos corredores do castelo de Camelot ou nas terras ensolaradas de Avalon – todos tentando desesperadamente defender o seu quinhão, seja por um ideal ou ganância.

Livro 1 – A Senhora da Magia

Capa - Livro 1 - As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia

Com relação ao título, apesar de, em certo ponto da história, Morgana ser chamada de Senhora do Lago, esta Senhora da Magia pode ser entendido como Morgana – representando um último suspiro de uma religião que está morrendo – ou como Viviane – última grande sacerdotisa desta crença.

Ler este volume foi como presenciar os últimos lampejos de força de uma religião antiga – que veio de uma mais antiga ainda – e os esforços de seus seguidores mais fiéis na tentativa de mantê-la viva e, talvez, com parte da grandeza e vigor que possuiu um dia.

Leia mais no blog:

A Grande Rainha – As Brumas de Avalon (Livro 2)

O Gamo-Rei – As Brumas de Avalon (Livro 3)

Projeto Leia Mulheres

————

Os sofrimentos do jovem Werther

os_sofrimento_do_jovem_werther - Breve resumo

Breve resumo

O título original deste livro é apenas Werther e foi escrito pelo alemão Goethe em 1774. É a obra que marca o início do Romantismo na literatura mundial.

O romance é epistolar, assim, a história contada através de cartas tem muito de autobiografia, mas o autor mudou fatos, nomes de pessoas e locais. Por isso, mesmo baseando-se em fatos verdadeiros, este romance é uma ficção.

O personagem escreve para um amigo, Wilhelm, e nessas cartas conta-lhe o início e o desenrolar de uma paixão intensa por Carlota – que é comprometida com Albert.

[Lembrei-me do poema do Drummond… apesar destes dois autores terem estilos completamente diferentes…]

Mesmo sem se envolver, Werther convive com Carlota e Albert, sufocando sua paixão, tornando-a avassaladora.

Os sofrimentos do jovem Werther levam-no a buscar refúgio na natureza, mas a certeza da impossibilidade de concretização do amor leva-o ao desespero – culminando com seu suicídio.

A obra serviu de parâmetro para algumas das principias características do Romantismo como o sentimentalismo exagerado, a morte como solução e a descrição da natureza como refúgio para a dor.

Na época em que foi publicado, Os sofrimentos do jovem Werther causou tamanho impacto na Alemanha que os jovens começaram a se vestir como o personagem é descrito no livro e, muitos deles, inspirados também pela obra, cometeram suicídio como se fosse um ato de coragem romântica, como uma valorização do sentimento frente aos sofrimentos causados pelas limitações práticas e morais da sociedade.

———————

O ano em que meus pais saíram de férias

O ano em que meus pais saíram de férias - Cachorro Solitário

O ano em que meus pais saíram de férias” (2006), do diretor Cao Hamburger, conta a história de um garoto que é deixado aos cuidados de seu avô enquanto seus pais saem de férias.

O filme se passa na época da ditadura militar, e seus pais, na verdade, são militantes de esquerda que são obrigados a viver na clandestinidade por causa de suas posições políticas.

Então, para proteger o filho, deixam-no com o avô.

O avô falece poucas horas antes da chegada do menino ao bairro que, diante da situação, fica aos cuidados de um velho judeu solitário amigo de seu avô.

O contato com uma cultura diferente fará com que o garoto aos poucos perceba a complexidade e a diversidade das relações humanas.

Aprende a conhecer e respeitar uma cultura que é diferente da sua, mas aprende também a conhecer e respeitar toda e qualquer diferença, seja ela social, étnica ou cultural, pois o bairro em que está vivendo agora é marcado pela convivência entre a comunidade negra, italiana e judaica.

Convivência essa que é ilustrada no filme pela percepção e pelos comentários que o menino faz acerca de uma partida de futebol que acontece no bairro envolvendo essas três comunidades.

O ano em que meus pais saíram de férias - cena

Com delicadeza, o filme mostra como a política intervia no cotidiano dessas pessoas de modo sutil e não declarado, o que era dito, era dito clandestinamente.

No entanto, aos poucos, toda censura e a repressão militar mostram seus efeitos práticos e cruéis: só a mãe do menino volta para buscá-lo. Quanto ao pai, o filme deixa a entender que, pego pelos militares, talvez não volte jamais.

——————–



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...