O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá: uma história de amor

jorge amado

O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá: uma história de amor foi escrito por Jorge Amado, em 1948, como presente de aniversário de um ano de seu filho João Jorge; sua publicação, no entanto, se deu apenas em 1976 quando Carybé fez as ilustrações.

O livro inicia com uma trova do poeta popular Estevão Escuna que diz:

O mundo só vai prestar
Para nele se viver
No dia em que a gente ver
Um gato maltês casar
Com uma alegre andorinha
Saindo os dois a voar
O noivo e sua noivinha
Dom Gato e dona Andorinha

Essa trova parece ser, ao mesmo tempo, introdução e resumo do que vai ser narrado em seguida, prenunciando o seu final não feliz, pois, ao usar os verbos no futuro (“o mundo só vai prestar”), o narrador nos dá uma pista de que “o mundo ainda não presta”, quer dizer, ainda não é possível, no mundo em que vivemos, conviver em paz com as diferenças. Depois da trova, vem o “Era uma vez”, que nos transporta para o mundo dos contos de fada ao dizer que esta história aconteceu num 

passado quando os bichos falavam, os cachorros eram amarrados com linguiça, alfaiates casavam com princesas e as crianças chegavam no bico das cegonhas.

O que vamos percebendo ao longo da narrativa é que O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá é uma história dentro de outra história em que se vai questionando o próprio modo de narrar.

Manhã

A história propriamente dita começa com uma explicação de como a Manhã se atrasa para chegar. Ficamos sabendo que há aí outra história de amor se desenrolando, pois a Manhã se atrasa quando o Vento vem ajudá-la a acender as brasas do Sol e, ao mesmo, tempo narra-lhe uma história – a sua curiosidade em saber o final é o que a faz se atrasar para “amanhecer o dia”.

A Manhã começa a refletir se a história de amor contada pelo Vento não foi contada com segundas intenções em relação a ela, o que vai aumentando a curiosidade do leitor em querer saber que história é esta capaz de fazer a Manhã se atrasar tanto para amanhecer.

Ao ir dizendo como o Vento é um bom contador de casos, o narrador vai dizendo também algumas características do que acredita fazer parte do bom narrar, por exemplo, diz que alguns casos eram longos como “capítulos de folhetim” e que “quando mais comovente, melhor a novela”.

Nessa linha de escritura, o autor faz referência a si mesmo quando, ao tentar descrever como a Manhã estava se sentindo, diz 

Um autor erudito falaria em confusão de sentimentos

nos dando a dica de que, ou o autor deste livro não é erudito, ou este, ao escrever, não tinha tais pretensões de reconhecimento literário.

Seguindo a história, os relógios começam a se atrasar por causa do atraso da Manhã e os galos também se confundem sem saber a que horas devem cantar… eles fazem então uma denúncia ao Tempo, que quer saber o porquê de tais confusões.

A Manhã responde que ficou ouvindo o Vento contar uma história e o Tempo, por sua vez, fica tão curioso para saber que história é esta que promete uma rosa azul em troca da contação da Manhã.

Primavera

Neste ponto, o narrador faz (literalmente) um parêntesis no livro para dizer que, agora sim, vai transcrever a história do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá por tê-la ouvido de um famoso e erudito Sapo Cururu que ouviu a história do próprio Vento.

A história de amor começa na Primavera e o Gato Malhado é apresentado primeiro. Ao descrever seu comportamento e como os bichos do parque o vêem, o narrador parece contrastar a beleza da estação das flores com a fama de egoísta e mau do Gato, mas, ao contrário da “opinião geral” dos outros animais, descobrimos que ele é um ser triste e solitário.

Apesar de ser um gato feio e pardo, com a chegada da Primavera seu corpo todo se espreguiça e ele sorri, não só pela boca, mas também “pelos olhos pardos”, o que parece significar que o seu espírito se abre para apreciar a beleza da paisagem primaveril.

A Andorinha Sinhá não consegue compreender por que, sendo ela tão popular entre os habitantes do parque, só o Gato Malhado não lhe dava atenção. Mais uma vez, a curiosidade faz com que a história vá seguindo novos rumos, pois é esse sentimento que faz com que a Andorinha queira se aproximar do Gato.

Neste ponto, o narrador faz (literalmente) um novo parêntesis no texto para apresentar a Andorinha Sinhá. Ele a descreve como uma passarinha muito disputada entre os outros pássaros como uma ótima pretendente para casamento, pois tinha simpatia, beleza e um coração inocente, mas ela não amava nenhum dos que a cortejavam.

Fecham-se os parênteses e continua-se na estação da Primavera. Ao ver o Gato Malhado sorrindo, os bichos se assustam e fogem, mas a Andorinha Sinhá vai falar com ele e, para provocá-lo, diz que ele é feio. O Gato, ao contrário do que todos pensavam, acha graça, e os dois, a partir de então, começam a se encontrar sempre para conversar e passear pelo parque.

Nesta parte, o narrador começa a conversar com o leitor sobre a forma como está estruturando sua contação:

Foi assim, com esse diálogo um pouco idiota, que começou toda a história do Gato Malhado e da Andorinha Sinhá. Em verdade a história, pelo menos no que se refere à Andorinha, começara antes. Um capítulo inicial deveria ter feito referência a certos atos anteriores da Andorinha. Como não posso mais escrevê-lo onde devido, dentro das boas regras da narrativa clássica, resta-me apenas suspender mais uma vez a ação e voltar atrás. É, sem dúvida, um método anárquico de contar uma história, eu reconheço. Mas o esquecimento pode ir por conta do transtorno que a chegada da Primavera causa aos gatos e aos contadores de histórias. Ou melhor ainda, posso me afirmar um revolucionário da forma e da estrutura da narrativa, e que me dará de imediato o apoio da crítica universitária e das colunas especializadas de literatura.

Este trecho mostra não só um narrador que conversa com o seu interlocutor, mas também um autor consciente do ato (e da brincadeira) de narrar e que não subestima a capacidade de entendimento do seu leitor, fazendo-o participar das suas escolhas narrativas. E, ao mesmo tempo, brinca com o status que as subversões nas estruturas das narrativas têm com a crítica literária.

No “Capítulo inicial, atrasado e fora de lugar”, o narrador descreve a personalidade da Andorinha como de uma criatura arrojada e sem preconceitos (“metida a independente”). Mostra que a Andorinha desde muito tempo observava o Gato por não acreditar na veracidade da fama de mau que ele tinha. Mas, ao falar das suas dúvidas com a Vaca Mocha e das suas intenções de se aproximar do Gato, esta lhe diz que “os gatos são inimigos irreconciliáveis das andorinhas” e que ter amizade com ele seria como “rasgar uma velha lei estabelecida, em passar por cima de regras consagradas pelo tempo”.

Voltamos à história “onde a deixamos por erros de estrutura ou por moderna sabedoria literária”. No fim da Primavera, os pais da Andorinha Sinhá a proíbem de se encontrar com o Gato Malhado, mas a simples proibição não impede que os dois se tornem cada vez mais íntimos (e apaixonados), pois ela 

gostava que a convencessem das coisas com boas e justas razões.

Verão

O capítulo do Verão é curto porque este “passou muito depressa”. Neste capítulo, temos a confirmação do amor que o Gato sente pela Andorinha e vice-versa, mas temos também um prenúncio de que esta história de amor não irá conseguir romper as estruturas dos preconceitos para se afirmar (ao contrário da narrativa em si que abre vários parêntesis e põe capítulos fora de lugar para melhor se contar), pois a Andorinha já tem encontros com o Rouxinol como seu pretendente.

Temos aí o “Parêntesis das murmurações”, ou melhor dizendo, o capítulo em que temos a confirmação das fofocas e dos preconceitos que os outros bichos do parque têm em relação aos encontros do Gato Malhado com a Andorinha Sinhá.

“Não era só a paisagem que se modificava com o correr das estações, como certamente percebeu o culto e talentoso leitor”, mais uma vez, o leitor é chamado a perceber como a narrativa está se organizando, pois as atitudes dos personagens vão se modificando conforme as estações vão passando.

Outono

No Outono, o Gato Malhado escreve um soneto que é transcrito num “parêntesis poético”, “pois afinal isso aqui não é um caderno de poemas”. Assim, o narrador justifica o fato de o soneto não estar no corpo da narrativa, mas dentro de um novo parêntese.

Após o “parêntesis poético”, temos um “Post scriptum” em que o narrador explica ao leitor o uso de tantos parêntesis dentro da história dizendo que não é por preguiça do autor, mas para melhor entendimento da própria narrativa. E, após este, é apresentado o “Parêntesis crítico”, em que o Sapo Cururu faz uma análise literária dos defeitos do soneto do Gato Malhado.

E voltamos ao Outono. Como era um “tempo cinzento”, as coisas certamente não andariam bem ou, nos dizeres da Coruja para o Gato, “para romper uma lei, é preciso uma revolução…”. Não sendo capazes de tal revolução, temos a confirmação de que o Gato Malhado não poderá casar com a Andorinha Sinhá, pois ela já aceitou o pedido de casamento do Rouxinol.

Inverno

No Inverno, encontramos todo o sofrimento que o Gato demonstra ao assistir de longe a festa de casamento de sua amada com o Rouxinol:

Já não havia futuro com que alimentar seu sonho de amor impossível. Noite sem estrelas, a da festa do casamento da Andorinha Sinhá.

No último capítulo, intitulado “A noite sem estrelas”, a “canção nupcial” da festa parece ao ouvidos do Gato um “canto fúnebre” e, enquanto ouve a música, ele caminha em direção ao lugar onde a Cobra Cascavel mora…

E, assim, a Manhã ganha do Tempo a prometida rosa azul por contar a história de amor que ouvira do Vento.

*

Leia mais no blog:

Uma história de amor na Proclamação da República

Uivos Filosóficos 7 – A Visão do Amor

Literatura – Uma visão sobre os Contos de Fadas

Elsa & Fred

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Leio por curiosidade de descobrir o mundo. Escrevo para compartilhá-lo. Meus textos podem ser encontrados no Cachorro Solitário e no Cabruuum.